Chico César é finalista de prêmio nacional de literatura

0
350

Por seu penúltimo livro, ‘Versos Pornográficos’, o cantor e compositor Chico César é um dos finalistas do Prêmio Jabuti. O paraibano de Catolé do Rocha concorre na categoria Poesia na 58ª edição da maior premiação da literatura nacional ao lado de nomes consagrados como Thiago de Mello, Ademir Assunção, Salgado Maranhão, Arnaldo Antunes e Nuno Ramos. Na categoria Conto/Crônica, tem Luiz Fernando Veríssimo; e na de Romance, Marcelo Rubens Paiva.

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) divulgou a relação dos 10 finalistas das 27 categorias do prêmio, entre os mais de 2.400 inscritos. O vencedor em cada uma delas será anunciado em 11 de novembro. Em postagem nas redes sociais, Chico comemorou a indicação considerando que “as companhias já são o melhor dos prêmios”.

O livro de Chico César, lançado sem muito alarde em outubro do ano passado pela Confraria do Vento, caiu logo no gosto de ninguém menos que uma das maiores cantoras do Brasil, amiga do compositor. A própria Maria Betânia contou num evento em janeiro (lançamento do livro “Caderno de poesias” – Editora UFMG) como recebeu a publicação:

Eu vi aquele título, “Versos pornográficos”, um livrinho que ele deixou quietinho no meu camarim durante o show que fizemos juntos para o Prêmio da Música Brasileira. Dei uma folheada e achei uma delícia! Tem um jogo de palavras delicioso, ele é muito sacana, eu não imaginava.

‘Versos Pornográficos’ tem prefácio do escritor Márcio-André, amigo de Chico e o primeiro a apostar no material escondido nas gavetas do compositor e ilustrações provocantes da húngara Sári Szántó.

A ideia do livro, contou o próprio Chico depois em entrevistas, surgiu de uma conversa por Facebook com Marcio-André, que lhe perguntou na ocasião se ele tinha algum livro no prelo depois dos dois primeiros lançados: “Cantáteis — Cantos Elegíacos de Amozade” e “Rio Sou Francisco”.

“Respondi que não tinha nada. Ele insistiu: Nada mesmo? E eu, meio envergonhado, respondi que tinha uns escritos eróticos que nem estavam organizados, pois eu não pensava que aquilo pudesse virar um livro”, disse ao lembrar que os poemas foram escritos num primeiro momento de sua estada na Paraíba como secretário estadual de Cultura (2011 a 2014).

Chico não teme rótulos e nem críticas por sua investida nessa área. Ele é de opinião que o erotismo faz parte da vida. “Quem passa pela vida passa necessariamente pelo erotismo. Sem ele a vida não tem a menor graça. É como sexo pra procriação ou viver só para o trabalho. É lindo quando descobrimos o erotismo num clássico como Drummond. Sei que alguns dirão que é erótico nele o que em outros é pornográfico. Eu não ligo muito para essas classificações. Cada um tem seu próprio prazer estético. Quando Marisa Monte pôs um desenho de Carlos Zéfiro na capa de um disco dela foi muito bom para que pessoas mais recatadas e, por que não dizer, caretas, ficassem mais à vontade com aquela “pegada” mais forte. Eu gosto”, explicou numa entrevista ao site poesianaalma.com.br

O júri do Prêmio Jabuti,  indicado pelo conselho curador, é composto por Marisa Lajolo, Antonio Carlos de Morais Sartini, Frederico Barbosa, Luís Carlos de Menezes e Pedro Almeida. A relação está emwww.premiojabuti.org.br

O Jabuti fez uma parceria com a Amazon.com.br. As obras finalistas das categorias Romance, Contos & Crônicas e Poesia vão concorrer ao prêmio Escolha do Leitor pelo site www.amazon.com.br/premiojabuti. Os leitores poderão conhecer os títulos, baixar suas amostras gratuitas ou comprar em formato eBook, além de realizar as avaliações.

Fonte: Rubens Nóbrega

DEIXE UMA RESPOSTA