Como o esperado em período de efervescência política, a sessão da última segunda-feira dia 08 de agosto na Câmara Municipal de Catolé do Rocha tiveram clima quente entre oposicionistas e situacionistas.

Cláudio de Sinfrônio (PSDB) versus Geraldo Amélio e Doda Azevedo (PR) foi o embate principal.

Cláudio rebateu fala do vereador Geraldo que fez acusações de que a gestão municipal só calçava ruas onde fosse de interesse do gestor, ou que tivesse a maioria de eleitores favoráveis, ele ainda reclamou do abandono do canal do Bairro João Pinheiro Dantas e disse que pelo menos de seis em seis meses é preciso fazer uma limpeza. O aliado do prefeito, disse que Amélio, “o colega Geraldo só tem olhos pras coisas feias,coisas ruins, tanta coisa bonita tem em Catolé pra mostrar e ele só sabe mostrar aquilo que é feio, talvez que a população nem interessa saber”; afirmou.

CÂMARA NO MEIO

Cláudio ainda disse que sujeira tinha na entrada da câmara dos restos da construção que está sendo feita, “há quase um ano começou a construção desses gabinetes dos vereadores e até os troncos dessas árvores passaram mais de seis meses ai, na frente da loja Rio do Peixe”.

O clima esquentou ainda mais fazendo acusações contra alguns de seus colegas de legislatura anterior, “no último ano da gestão de Edvaldo, chegou um prestação de contas da gestão passada do prefeito Leomar, eu fui convidado no gabinete desta casa, pelos então vereadores de oposição naquela época, para reprovar as contas de Leomar, naquela época, a oposição tinha cinco vereadores, eram nove vereadores, me chamaram cinco vereadores da oposição, me chamaram pra uma reunião e o tema era reprovar as contas de Leomar que vieram aprovadas, me chamaram e disseram assim, vereador nós te chamamos aqui porque nós temos cinco votos, pra reprovar as contas de Leomar basta mais um voto, que precisamos de seis votos”, segundo este, os vereadores de oposição a época o convidaram para desaprovar as contas de Leomar e ele havia recusado e acusou os colegas de tentarem corrompe-lo, “perguntaram o que é que eu queria para reprovar as contas de leomar e eu disse, não quero nada, não quero nada de ninguém, não me vendo, não me troco, não me corrompo”; asseverou.

Cláudio de Sinfrônio foi rebatido por Geraldo novamente e Doda; “Eu acho que o vereador não tem essa moral toda pra dizer que, eu sou honesto, estou aqui, num recebo propina, não faço assim, eu vou deixar que o vereador Gentil na próxima sessão ele fale, ele sabe de tudo, eu sei pouca coisa” já Doda foi mais além, “pelo amor de Deus, isso é uma demagogia grande, você virou um verdadeiro demagogo Cláudio, me desculpe, mas a expressão tem que ser assim mesmo”; acentuou.

Doda ainda foi além, “você só ta soltinho aqui, porque Gentil não está sentado naquela cadeira, ele ia desmascarar você, e você ia ficar com a cara rente com o chão”.

Fonte: Domício Filho

DEIXE UMA RESPOSTA