O Ministério Público do Trabalho (MPT-PB), mantém a multa ao Sindicato dos Bancários por descumprimento de acordo judicial para prevenir abusividade na greve. De acordo com o procurador, Eduardo Varandas, foram verificados graves prejuízos à população e em seguida realizadas auditorias que verificaram o descumprimento do acordo. “A posição do MPT então é provocar a justiça”, disse.

A categoria alega que a compensação dos cheques está sendo feita, assim como o abastecimento de todas as máquinas para que a sociedade não seja tão prejudicada.

O juiz titular, Paulo Henrique Tavares, decidiu que o bloqueio cautelar de R$ 20 mil nas contas do sindicato vai permanecer até que seja provado que o termo de conciliação realizado entre os órgãos em 2012 esteja sendo cumprido. O sindicato dos bancários tem cinco dias para apresentar as provas à Justiça do Trabalho. A multa é de R$ 10 mil por dia correspondentes à sexta-feira (30) e segunda-feira (03).

Também foi determinado desde ontem o acompanhamento permanente do funcionamento dos serviços essenciais nas agências públicas e privadas do estado, com ênfase no pagamento dos benefícios sociais, liberação de alvarás judiciais, compensação de cheques e demais títulos bancários, além da reposição de dinheiro e envelopes nos caixas de auto atendimento. O acompanhamento será realizado pela Superintendência Regional do Trabalho, Procons e Ministério Público do Trabalho.

O Sindicato pede um reajuste de 14,78% e a Fenaban apresentou proposta de reajuste para 2016 de 8% + abono de R$ 3,5 mil, reajuste de 15% no vale alimentação, 10% no vale refeição, 10% no auxílio creche-babá, Licença paternidade de 20 dias, Emprego: Centro de realocação e requalificação. Para 2017 reajuste de INPC + 1% de aumento real. Nos salários e em todas as verbas. Dias parados: todos os dias deverão ser compensados, sem prazo limite. Foi dado um intervalo na décima rodada de negociação, em São Paulo e o Comando Nacional dos Bancários está reunido.

Na Paraíba, o sindicato vai se reunir às 19h desta quinta-feira (06) para decidir se aprova a proposta e encerra a greve, porém sem compensação dos 30 dias de paralisação.

Com Paraíba.com

DEIXE UMA RESPOSTA