Banco Central tem ‘plena autonomia’ para definir taxa de juros, diz Temer

0
473

Após o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmar que o presidente em exercício via com “bons olhos” uma eventual redução da taxa de juros por parte do Banco Central, Michel Temer publicou nesta quarta-feira (20), em seu página pessoal no microblog Twitter, uma declaração na qual firma que a autoridade monetária tem “plena autonomia” para definir o percentual.

O Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por fixar a Taxa Selic, decidirá nesta quarta se mantém, reduz ou eleva a taxa, atualmente em 14,25% ao ano, a maior dos últimos dez anos. Esse será a primeira reunião do Copom presidida por Ilan Goldfajn, novo presidente do Banco Central.

Selic 14,5% (Foto: Arte/G1)

Segundo a assessoria de Temer, a fala foi divulgada com o objetivo de evitar “especulações” no mercado sobre interferência do presidente em exercício em relação à taxa de juros. Segundo o G1 apurou, a declaração é uma tentativa de desautorizar o comentário do ministro da Casa Civil.

“O Banco Central tem plena autonomia para definir a taxa de juros. A política monetária tem como prioridade combater a inflação e este é o objetivo central do meu governo”, afirmou o presidente em exercício, na declaração divulgada pela Secretaria de Imprensa.
 
Minutos após a Secretaria de Imprensa da Presidência divulgar o comentário de Temer sobre a reunião do Copom e a definição sobre a taxa de juros, o presidente em exercício utilizou sua conta pessoal no microblog Twitter para publicar a mesma frase.

O ministro deu a declaração sobre a taxa de juros após ser questionado por jornalistas sobre se Temer havia pedido ao BC para reduzir a Selic.Padilha deu a declaração sobre a posição de Temer em torno da taxa de juros em uma entrevista concedida na manhã desta quarta no Palácio do Planalto. Na ocasião, ele disse que, embora a palavra final sobre a taxa de juros seja do Banco Central, o presidente da República em exercício via “com bons olhos” uma eventual redução.

“Se analisarmos todos os indicadores, vamos ver que os economistas do Brasil estão dizendo que forçosamente teremos queda nos juros. Isso agrada o presidente, e ele vê com bons olhos se nós pudermos [reduzir a taxa Selic]. Mas temos que respeitar a autonomia do BC. […] São economistas dizendo, agências de avaliação dizendo que o juro vai cair. O presidente vê com bons olhos [uma eventual redução], mas a palavra final é do BC”, declarou Padilha na entrevista.

Fonte: G1