Mulher morre após ser arremessada de brinquedo em parque de diversão

0
121

Uma mulher morreu depois de cair de um brinquedo, em um parque de diversões em Itaipava, no município de Itapemirim, na região Sul do Espírito Santo, na noite desse sábado (1). A filha dela também também foi arremessada e está em observação no hospital de Cachoeiro de Itapemirim. O operador do brinquedo e o dono do parque foram presos. O parque não tinha alvará de funcionamento.

De acordo com informações do delegado plantonista de Itapemirim, Thiago Viana, a mãe, a filha e o pai são do município de Viana, na Grande Vitória, e estavam passando férias no município.

No momento do acidente, a mãe e a filha estavam no brinquedo “Surf” e o pai ficou do lado de fora assistindo. De acordo com o relato dele, o aparelho, que funcionava girando, começou a ir mais rápido e chacoalhar na descida. Ele pediu para que desligassem o brinquedo, mas a mulher e a criança foram arremessadas.

“O marido estava em frente ao aparelho e, quando viu que o estava mais rápido, pediu para que desligassem, mas não teve tempo. Pelo que foi apurado até agora, o aparelho começou a funcionar de forma mais rápida e causou a queda da mãe e depois da filha. O brinquedo passou por cima da mãe e a criança foi arremessada para fora”, explicou o delegado.

O delegado explicou que a mulher caiu no fundo da plataforma do brinquedo e que, pelo espaço entre o fundo e o brinquedo ser de 14 centímetros, ela foi atingida pelo equipamento e foi a óbito no local.

A criança foi lançada cerca de 10 metros para fora do brinquedo e não teve ferimentos graves. A menina está em observação no Hospital Infantil de Cachoeiro de Itapemirim.

Investigação

O delegado Viana informou que a Polícia Civil já apurou provas testemunhais e foi feita a análise pericial preliminar. Agora, o delegado aguarda o resultado do laudo da perícia. A hipótese de falha humana não foi descartada.

Prisões

Logo após o acidente, a Polícia Militar e a Guarda Municipal de Itapemirim fizeram diligências para prender o proprietário e o operador do brinquedo.

Segundo o delegado, o operador chegou a fugir, mas foi encontrado pela guarda próximo ao parque. Na delegacia, ele alegou que teve uma falha no equipamento e que tentou frear o brinquedo, mas que não funcionou. Os policiais disseram que o homem estava com sinais de embriaguez e confessou que tinha ingerido bebida alcoólica horas antes.

O proprietário ficou no parque e se apresentou para a polícia logo que os agentes chegaram.

O parque é da cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, e estava no município há mais de um mês. O proprietário estava sem o alvará de funcionamento da prefeitura e da Polícia Civil. A atividade estava autorizada apenas pelo Corpo de Bombeiros.

Os dois foram presos e autuados em flagrante por homicídio culposo e lesão corporal culposa. Por causa da falta de alvará, o proprietário também vai responder por uma contravenção penal de exercer atividade econômica em cumprir a lei. Eles serão encaminhados para um presídio.